Signo-Sinal, âncoras e gatilhos: entenda a diferença

Publicado em Publicado em Artigos

Se você faz hipnose ou quer aprender esta maravilhosa ferramenta, impreterivelmente vai ouvir e usar várias vezes essas palavras: signo-sinal, âncoras e gatilhos. Mas será que você sabe exatamente a diferença entre tudo isso? Continue lendo e teste seus conhecimentos técnicas sobre hipnose!

Todos estes termos se referem a um mesmo processo da hipnose, mas existem pequenas diferenças teóricas que diferenciam cada um deles. Vamos então começar com âncoras e gatilhos.

Gatilho é tudo aquilo que inicia algo. Assim como o gatilho de uma arma dispara uma bala, o gatilho na hipnose também dispara algo. Podemos entender gatilho como qualquer estímulo que chega até nossos órgãos do sentido e estimulam nossos receptores sensoriais. Sendo assim, gatilho pode ser algo que vemos, ouvimos, tocamos, experimentamos e que inicia algo.

Âncora é aquilo iniciado por um gatilho. Se ao sentir cheiro de feijão refogado eu me lembro da minha infância na fazenda da minha tia-avó, dela preparando aquele delicioso feijão refogado no alho, o cheiro do feijão foi o gatilho que iniciou um estado feliz e me levou para minha infância na fazenda. Esta felicidade e as lembranças desencadeadas pelo cheiro foram os estados ancorados.

Agora vem a complicação teórica. Signo-sinal é praticamente a mesma coisa: um comando – que pode ser uma palavra, uma frase, um gesto ou um toque – que dispara uma ação! Percebe a semelhança? Pois é. E qual a diferença? Teoricamente, âncoras e gatilhos acontecem diariamente, a todo momento, com todo ser humano independente de transe ou não. Quando você está caminhando na rua e sente o cheiro de um perfume que te remete a um(a) ex-namorado(a), você não estava em transe para acessar esta memória. O cheiro do perfume seria um gatilho e o(a) ex seria a âncora. Já o signo-sinal exige um transe, ou seja, signo-sinal é uma condição criada com a pessoa em transe.

Como podemos usar signo-sinais na hipnose?

Separei uma lista com as três principais formas de usar signo-sinal durante um transe:

  1. Para criar um atalho ao transe. Você coloca a pessoa em transe e diz: “todas as vezes que eu tocar a sua testa e disser a palavra durma, você volta para este mesmo estado de transe”. Isso serve para que você volte a levar aquela pessoa ao transe sem perder tempo com induções demoradas.
  2. Para criar um condicionamento. Uma das técnicas mais eficientes para mudar um hábito são os condicionamentos: frases construídas de uma forma específica que criam pequenas reprogramações no dia-a-dia da pessoa. Muito funcional para mudança de hábitos ou eliminar vícios. Ensinamos como construir condicionamentos em nosso curso Hipnose Aplicada!
  3. Para shows de entretenimento. Basicamente todos os comandos engraçados que podemos ver nos shows de hipnose são construídos com signo-sinais.

Quer saber mais sobre tudo isso? Veja o vídeo que preparamos pra você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *