Hipnose e TDAH

Publicado em Publicado em Artigos

TDAH é a sigla de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, um tipo de transtorno neurológico, que surge na infância, geralmente como fator genético, e em muitos casos, acompanhando o indivíduo em sua vida adulta.

As principais características ou sintomas são a desatenção, a hiperatividade e a impulsividade, resultando na dificuldade de relacionamento com a família e com outras crianças e professores no ambiente escolar. Ainda na escola, os portadores do TDAH são descritos como “inquietos”, “agitados”, “desobedientes” ou que “vivem no mundo da lua”, gerando dificuldades de aprendizagem provocadas pela falta de concentração.

TDAH tem cura?

Teoricamente o controle da doença deve ser feito com medicamento e tratamentos psicológicos mas não teria solução definitiva. O interessante é que nos últimos 3 anos recebemos alguns casos em nosso consultório de pessoas com o diagnóstico de TDAH que com o tratamento de hipnoterapia e técnicas de auto hipnose, puderam parar totalmente com os medicamentos.

Tendo este fato como base, podemos seguir duas possibilidades: (1) ou a hipnose está atingindo mudanças funcionais do cérebro destas pessoas (2) ou o diagnóstico estava errado. Eu acredito mais na segunda possibilidade. Não se trata de desacreditar na hipnose, mas em entender que existem questões psicológicas e questões estruturais/ funcionais. Tudo tem seu limite até mesmo a hipnoterapia. Só que os casos que recebemos e que tiveram 100% de solução são reais e isso também não pode ser deixado de lado.

Prefiro acreditar que esses clientes tiveram um diagnóstico impreciso ou precipitado. É perceptível que vivemos cada vez mais em uma sociedade do medicamento. Cada vez mais usamos das drogas para tratar sintomas nos preocupando menos em solucionar causas. Muito comum profissionais darem o diagnóstico de TDAH sem os devidos testes ou sem o devido cuidado em realmente entender caso a caso.

As novas gerações estão cada vez mais acostumados com o imediatismo e o dinamismo da tecnologia. Aparelhos cada vez mais velozes e interativos, jogos cada vez mais convidativos à criatividade e ao pensamento “não-sequencial”. Ao mesmo tempo enfraquecendo a capacidade das nossas crianças de manterem a tentação em algo por muito tempo (especialmente algo que não é atrativo ou prazeiroso). Na contramão de tudo isso está nosso sistema de ensino: arcaico, monótono e muitas vezes sem a menor capacidade de prender a atenção dos jovens, vimos muitas vezes professores desmotivados e sem recursos, lutando pela atenção das crianças – lutando contra os smartphones – em uma batalha que já está perdida.

Neste cenário não é de se esperar que cada vez mais crianças tenham dificuldades de aprender, de manter atenção em algo e de se sairem bem nas provas. Não vou questionar o sistema de ensino neste post, mas na minha opinião tem muita coisa errada e prova não avalia nada! Mas deixando isso de lado, imagine uma mãe que chega com seu filho no médico se queixando que o garoto não consegue prestar atenção nas aulas e que está indo de mal a pior na escola. Quase que imediatamente ela sai com uma receita de ritalina. Infelizmente é mais fácil prescrever do que entender os reais problemas das pessoas.

Médicos ganham para receitar

Você sabia que as industrias de medicamento dão premis aos médicos que mais prescrevem seus remédios? Viagens internacionais para congressos e até férias para a família. Tem muito profissional que se sente motivado a prescrever com essas regalias. Nesses casos, quem está pensando na saúde de fato?

Quando um cliente chega no meu consultório perguntando se a hipnose pode solucionar, eu digo que não. Mas falo também dos clientes que já ajudei e que hoje não usam remédio e se saem super bem em suas tarefas. E eu digo: “Pode ser que seu caso seja um diagnóstico errado. Se for isso, a hipnose vai te ajudar muito! Pode ser que seu diagnóstico esteja correto, e se for este o caso, a hipnose vai te ajudar muito. Vai te dar mais resiliências, mais capacidade de concentração (dentro das suas limitações) e uma melhora considerável na sua qualidade de vida!”

Melhorar 100% ou 1% é melhorar do mesmo jeito 

Eu já disse que não gosto de colocar limites na hipnoterapia, porque ela tem como base nosso cérebro, e eu já cansei de ver coisas inacreditáveis acontecendo quando meus clientes conseguem acessar áreas inexplicáveis do cérebro. Então eu sempre digo que vale a pena tentar! Vale a pena correr o risco de melhorar 100% ou correr o risco de melhorar 1%. Qualquer melhora é bom! Então, se dê uma chance de se tornar uma pessoa melhor. Marque uma consulta sem compromisso e conheça a hipnoterapia!

Quero minha consulta gratuita!

Saiba mais sobre o assunto assistindo este vídeo que especial que preparamos sobre Hipnose e TDAH:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *