Como hipnotizar pessoas difíceis?

Publicado em Publicado em Artigos

Uma das perguntas que mais recebemos em nossos cursos presenciais é: Como eu faço para hipnotizar uma pessoa difícil?

Bem… a resposta para esta pergunta está longe de ser fácil ou simples. Mas para entender melhor tudo isso, preparamos um post especial para, especialmente diferenciar uma pessoa cética de uma pessoa que não quer passar pelo processo.

Que hipnose é um assunto controverso nós já sabemos. Que algumas pessoas pensam que se trata de controle mental, ou algo místico, religioso e até mesmo charlatanismo nós também já sabemos. Tratamos aqui no nosso blog e também no canal do YouTube vários assuntos que explicam os motivos da hipnose ser vista por muitos por estas perspectivas.

Sabemos também que a grande parte destas crenças sobre a hipnose não passam de mitos e crenças populares, que vêm sendo reforçadas ao longo da história mas que na verdade, o processo hipnótico é científico, comprovadamente funciona e que é aceito pelos principais conselhos das diversas profissões da saúde e recentemente reconhecida como técnica terapêutica pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Estou falando tudo isso para justamente diferenciar uma pessoa cética de uma pessoa que não quer passar pelo processo. Entenda a diferença!

O cético

Muitas vezes usamos o adjetivo cético para nos referirmos à pessoas que ainda não estão totalmente preparadas para serem hipnotizadas. Isso se deve a possíveis crenças equivocadas que estas pessoas possam ter sobre o processo e que podem estar impedido a total permissão/ entrega delas ao transe hipnótico. Quando isso acontece, não quer dizer que tais pessoas não acreditam em hipnose, mas que por algum motivo existem dúvidas sobre alguma parte do processo e essas dúvidas estão deixando aquelas pessoas desconfortáveis em se permitirem serem guiadas ao transe.

Normalmente conseguimos identificar estas pessoas pelas perguntas ou colocações que elas fazem:

  • E se eu ficar preso(a)?
  • E seu eu não voltar?
  • Eu vou fazer o que eu não quero?
  • Eu vou contar meus segredos?
  • Não sei se isso é seguro…
  • Mas funciona mesmo?

Perceba que nestes exemplos não existe uma total negação da técnica e nenhum desafio. A pessoa está simplesmente querendo entender melhor como tudo funciona e tirando suas dúvidas (que por mais obvias que possam parecer para quem estuda e aplicada hipnose, fazem todo o sentido para o leigo). É muito importante que o hipnotista respeite tais dúvidas e responda a cada uma delas de forma clara e respeitosa, mas deixando claro que não existe perigo algum.

Alguns chamam estas pessoas de difíceis, mas na verdade elas querem passar pelo processo, mesmo que algumas dizem duvidar ao perceberem que a hipnose é muito mais segura, simples e poderosa do que parece, automaticamente elas engajam no processo e provavelmente terão experiencias maravilhosas! Por mais que você precise levar um tempo maior no seu pre-talk, desmistificando e explicando a hipnose para estas pessoas, acredite: vai valer a pena.

As que não querem passar pelo processo

Costumamos chamar as pessoas que não querem colaborar de céticos, mas ao meu ver é totalmente diferente, pois elas não querem! Tais pessoas, mesmo que você explique tudo, tire todas as duvidas, gaste horas de conversa e queira genuinamente dar a elas uma experiência positiva, elas não querem e sendo assim você jamais vai conseguir hipnotizá-las.

Ai você me pergunta: Da pra coloca-las em transe? Até dá, mas não vale o esforço.

Eu gosto de enxergar isso da seguinte forma: se tem alguém querendo ser hipnotizado, mesmo que com dúvidas, por que gastar meu tempo com quem não quer? Em uma hora tentando convencer alguém a ser hipnotizado eu levo 5 pessoas ao transe; 5 pessoas que querem!

E como identificar as que não vão colaborar? Normalmente as colocações e perguntas são diferentes:

  • Duvido você me colocar em transe!
  • Isso não pega em mim.
  • Isso ai é lero lero.
  • Jamais deixaria alguém me colocar em transe.

Mesmo que algumas destas colocações podem ter vindo de crenças e mitos do senso comum, a forma como as pessoas que não querem colaborar se colocam, é muito mais agressiva, incisiva e em tom de disputa e desafio. Nestes casos eu não perco meu tempo. Para não parecer que eu sou rude ou que estou fugindo de algum desafio, eu simplesmente falo que hipnose não é desafio:

  • Você acha que isso é uma batalha mental? Você já ganhou.
  • Que pena que você não acredita. Sendo assim você não vai experimentar o poder do seu inconsciente, não vai sentir o relaxamento que a hipnose proporciona e nem descobrir formas de reprogramar sua mente.

Quando existem outras pessoas no local que querem ser hipnotizadas, eu então começo a fazer o processo com estas pessoas, para o outro “difícil” ver como é legal. Muitas vezes ele chega até mim mudando de ideia e querendo passar pelo processo. Nessa hora eu digo: “você não está pronto ainda”. E vou fazendo com outras pessoas até que o “difícil” chegue até mim quase implorando por uma experiencia! Ai sim eu penso se ele merece!

Caso você queira saber um pouco mais sobre nossas estratégias para lidar com pessoas difíceis, veja este vídeo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *