O inconsciente que pensa

Posted on Posted in Artigos

lugares mentaisPodemos afirmar que o mundo inconsciente da nossa psique é enorme, intemporal e obviamente não ocupa espaço no cérebro. Está lá e não está. Há toda uma actividade mental, incluindo emoções, que desconhecemos e que interferem na nossa vida consciente.

Mais impressionante ainda: está demonstrado cientificamente que tomamos as nossas decisões até cerca de meio segundo antes… de sabermos o que decidimos. É como se uma inteligência inconsciente agisse em nosso nome pondo em causa a ideia de que somos seres independentes e que mandamos nos nossos pensamentos. Isto está ainda por esclarecer. E levanta interrogações sobre o que é a auto-consciência e como ela acontece.

Os processos inconscientes ajudam a automatizar gestos. Por exemplo: depois de muito treino um atleta ou um artista executa as suas provas de forma natural, sem necessidade de pensar o que fazer a não ser manter-se concentrado. Mas o conteúdo da competência foi aprendido e depois age por efeito do inconsciente cognitivo.

Todos os dias os nossos sentidos captam milhões de informações (imagens, sons, cheiros, etc). A maior parte dessa informação nós não damos conta dela pois é recolhida de forma não consciente. Ela fica guardada na memória. O registo é automático, quer queiramos quer não. Depois, mais cedo ou mais tarde, esse material vai alimentar ideias, pensamentos, intuições e sonhos. Ele dirige nossos comportamentos e escolhas. Alimenta a nossa personalidade. E está também implicado no aparecimento e no desenvolvimento de muitas doenças orgânicas. O assunto é deveras complexo.

Nelson S. Lima via Saulo Caldeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *